Avançar para o conteúdo principal

Marinha das Ondas - artigo "A sanita do concelho" - problemas ambientais


“A sanita do concelho”

Cansados de tanta agressão ambiental, os cidadãos da Marinha das Ondas manifestaram-se esta semana contra a eventual localização de uma nova indústria na sua freguesia. Os incómodos diários são diversos, sendo o mais evidente os maus cheiros libertados pelas celuloses. Muitas vezes quem “está de fora” pensa erradamente: “eles já estão habituados”. Não é verdade. Ninguém se habitua ao “mau cheiro”, seja ele permanente ou temporário. As pessoas sofrem em silêncio, a sua saúde fica a médio e longo prazo comprometida.

Isto perante o reduzido interesse manifestado pelas autoridades locais em resolver os problemas, ou pelo menos mitiga-los. Há passividade face os “interesses económicos em causa”, e assim, sem líderes, a população resigna-se e aceita a situação sem se manifestar publicamente. Por isso, a expressão do presidente de Junta da Freguesia da Marinha das Ondas, a “sanita do concelho”, teve impacto na imprensa regional. Assumir este epíteto é quebrar com o tal conformismo, assumindo uma legítima vitimização.

 Isto no seguimento da notícia do licenciamento de um centro de tratamento de centenas de milhares de toneladas de resíduos com origem na indústria agropecuária, misturados com lamas de ETAR. O problema dos odores, no transporte e tratamento, é um desafio de engenharia complexo e não pode ser menosprezado porque “lá nessa terra, já cheira mal”.

 As pessoas têm razões para estar atentas e preocupadas, já toleram muito, na Marinha das Ondas.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Alferes Robles, massacres de 1961 e a Guerra de Angola

Recentemente visionei novamente os primeiros episódios da série "A Guerra" de Joaquim Furtado. Para quem não viveu a guerra, o documentário é excelente, e segundo muitos que a viveram Joaquim Furtado fez um trabalho notável. Ouviu ambas as partes, procurou uma visão serena e equilibrada apresentando unicamente os factos comprovados.
(ver aqui o documentário "A GUERRA" de Joaquim Furtado, https://youtu.be/eytkjJXrmhA onde  várias testemunhas presenciais testemunham as atrocidades cometidas por ambas as partes)

Na sequência dos grotescos episódios que se seguiram aos massacres de 15 de Março de 1961, a UPA matou barbaramente quase um milhar de colonos (a maioria branco) e outros milhares de trabalhadores locais, os portugueses (brancos) desencadearam a retaliação. Matou-se por dá cá aquela palha, milhares de angolanos pretos foram chacinados sem qualquer razão. Há várias fotografias de valas comuns, iguais às nazis, e depoimentos que chegariam para levar alguns por…

Supermercados a mais e em zona sensível

https://outramargem-visor.blogspot.pt/2017/12/a-proposito-da-mercearia.html

Tal como António Agostinho descreve no seu blog, a CMFF esteve mal na avaliação das licenças dos supermercados.

Contrariamente ao que acontece em outros países (Itália, perguntem à SONAE quanto paga ao Município pelo seu estacionamento "privado") os contratos com grandes superfícies deveriam obrigar a que cada lugar de estacionamento pagasse uma tarifa.
Isto em prol da "igualdade" perante o comércio local, cujos clientes têm que pagar estacionamento.

Artigo sobre o PDM - 1

O PDM sou eu e…os meus filhos
O PDM é um instrumento demasiado importante para ficar só nas mãos dos técnicos e políticos. Uns e outros tendem a pensar que o “PDM sou eu”, e querem zonas de expansão urbana (“para os filhos”) onde há espaços agrícolas. O PDM merece um amplo debate público mesmo que seja contaminado pelas pretensões individuais de valorização fundiária.
O debate começa mal, dado que é difícil a leitura do relatório e do regulamento do PDM. Os objetivos concretos da revisão do PDM são pouco evidentes. Falta um “resumo executivo”. O relatório perde-se em muitas estatísticas, quadros e tabelas. São 17 maçadoras páginas de “indicadores demográficos” . Faltam conclusões: “a população estagnou, o número de casas aumentou exponencialmente, há milhares de edifícios em ruína num país endividado e sem capital próprio”.
A Câmara tem razão, na teoria: “redefinem-se os aglomerados tendo em conta o que existe já construído no território, evitando a continuação da dispersão do edificado”…