Avançar para o conteúdo principal

Ruído, trabalho "escravo" e a recolha de resíduos na Figueira da Foz

Recolha de resíduos urbanos passa aqui na minha rua residencial, são 6h50 da manhã, dia 25 de abril, dia em que se celebra conquista de liberdades e de direitos dos trabalhadores.
Ruído.

É evidente o desprezo pelos direitos dos trabalhadores mais mal pagos...Tiveram que recolher o lixo na sexta-feira santa, sábado, domingo de Páscoa, segunda-feira...e até hoje 25 de abril.

Nada há que justifique este excesso de "recolhas", a não ser um sistema irracional e o facto da empresa privada que faz a recolha ir lucrar precisamente com  o "trabalho escravo e esta caça ao lixo".

Tudo pago com dinheiro dos contribuintes, numa Câmara Municipal liderada por socialistas.

recolha de resíduos na figueira da foz



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Alferes Robles, massacres de 1961 e a Guerra de Angola

Recentemente visionei novamente os primeiros episódios da série "A Guerra" de Joaquim Furtado. Para quem não viveu a guerra, o documentário é excelente, e segundo muitos que a viveram Joaquim Furtado fez um trabalho notável. Ouviu ambas as partes, procurou uma visão serena e equilibrada apresentando unicamente os factos comprovados.
(ver aqui o documentário "A GUERRA" de Joaquim Furtado, https://youtu.be/eytkjJXrmhA onde  várias testemunhas presenciais testemunham as atrocidades cometidas por ambas as partes)

Na sequência dos grotescos episódios que se seguiram aos massacres de 15 de Março de 1961, a UPA matou barbaramente quase um milhar de colonos (a maioria branco) e outros milhares de trabalhadores locais, os portugueses (brancos) desencadearam a retaliação. Matou-se por dá cá aquela palha, milhares de angolanos pretos foram chacinados sem qualquer razão. Há várias fotografias de valas comuns, iguais às nazis, e depoimentos que chegariam para levar alguns por…

Abate de árvores na Figueira da Foz - artigo de opinião

Artigo publicado no Diário as Beiras a 18 de agosto, 2018


O abate das árvores
A atitude prevalente relativa às árvores em meio urbano resume-se com a anedota: “Um casal de namorados aproxima-se de um espaço verde, quando a jovem, num momento romântico lhe diz: - Querido consegues ver este magnífico bosque? E ele responde: - Hmm ainda não! Estas árvores não me deixam ver nada…” Os planeadores urbanos descuram frequentemente a preservação das árvores, é mais fácil arrasar e plantar novo do que traçar o perfil do arruamento em função do património natural existente. Vem isto a propósito do recente protesto do Movimento Parque Verde, contra o abate de 16 árvores em Buarcos. Destaque-se aqui a iniciativa do dr. Luís Pena que luta, desde os anos 90, por uma Figueira mais verde e saudável. Recordo bem a sua ação contra as podas destrutivas no mandato de Santana Lopes (PSD) nas Abadias. Conseguiu-se mediatismo para as árvores, porque são vários os casos de abate de em obras municipais, para …

Roxanne Bueso

Pintora Roxanne Bueso, residente na Figueira da Foz, proveniente de Porto Rico.