30.1.08

Despedonalização - Artigo do blog À Beira Mar



No blog À Beira Mar escreve-se e bem sobre a despedonalização. Ficam excertos:


A pé é que é o caminho!
Segunda-feira, Janeiro 28, 2008

Por estes dias, nos jornais da terra, um tema tem merecido alguma atenção: dá pelo nome de "despedonalização" e, em concreto, da zona do Bairro Novo. Ou, por outras palavras, fazer regressar os automóveis a ruas cortadas ao trânsito onde o peão é rei. "..."

Esta semana, o jornal "O Figueirense" fez alarde de uma espécie de movimento crescente pela despedonalização da zona. Facto digno de nota, não fosse não encontrar sustentação tanto no texto que lhe serve de base - a opinião de UM empresário de pronto-a-vestir a quem um tipo com os copos partiu a montra da loja - como na legenda de uma fotografia, onde se lê: "A despedonalização do Bairro Novo tem cada vez mais adeptos". Caso para perguntar... após ler o texto em questão... quem? quais? quantos são? Estamos a falar de conversas de café ou essa gente existe mesmo mas tem vergonha de dar a cara?

O caso que não é caso nenhum (mas não quer dizer que não venha a ser, isto é a Figueira, já dizia o velho slogan) encontra suposta justificação numa hipotética ameaça de vandalismo e/ou insegurança crescente naquela zona. Que, lembre-se, não é tão despovoada como alguns querem fazer crer: restaurantes e bares abertos até de madrugada - ao contrário do comércio que, grosso modo, fecha às horas do costume - ou o Casino que encerra às 03:00 da manhã. Não será portanto, um qualquer sentimento de insegurança que leva os defensores dos automóveis a exigirem - quem? quais? quantos são? - o seu regresso.

"..." Quando assumiram a pedonalização daquela zona, os responsáveis pela cidade lograram garantir condições de segurança aos transeuntes. Não há carros, passeia-se à vontade. Mais: tenho para mim que quem pretende ir a um restaurante, a um bar, ao Casino ou ao comércio que realmente lhe interessa não deixa de ir por ter de andar a pé. Ou deixa? Há quem nos queira fazer crer que sim.

"...."
Mais do que um suposto aumento de adeptos da despedonalização, o que se tem visto é empresários de restauração a defenderem a manutenção da zona pedonal. E, pelo menos UM (se a opinião de um contra os passeios é válida, válida será a opinião de outro a favor) que se manifestou pelo aumento da área para peões, em parte da rua Francisco A. Diniz, entre a rua da Liberdade e a parte já pedonal da Académico Zagalo. A bem da segurança de quem bebe uns copos e conversa com os amigos em plena rua, com carros a passar. Houvesse coragem política nesta terra, e por esta altura, não se estava a falar de fazer voltar os carros a um local onde, de todo, não são necessários, mas antes... em formas de manter - fazendo cumprir as mais elementares regras de trânsito - ou mesmo aumentar a área pedonal. Isso é que era! Ou não?

publicado por jls 11:36 PM

Sem comentários:

Enviar um comentário