25.3.13

Ártigo de opinião - Árvores



Árvores
Valorizamos pouco o património natural. Passamos pelas árvores e ignoramos o seu significado, qual a espécie, de onde vieram, quem as plantou e porquê. A Escola “esquece as nossas árvores”: nunca fomos para o exterior, trepar e colher frutos; aprender a distinguir um carvalho de um choupo. Enfim, falta poesia ao “ensino da árvore”!
A Câmara Municipal comemorou o Dia da Árvore com a inauguração de um percurso pedestre sobre as espécies existentes na cidade. É urgente contrariar a ideia de que é uma “chatice” ter árvores junto às casas. Chegam muitas queixas à Câmara, os munícipes pedem que as árvores sejam eliminadas. Há ainda gente que vê as folhas nos jardins como lixo, exigindo a sua varredura diária!
Abundam os mitos: “as árvores provocam alergias”, “podem cair a qualquer momento”, “devem ser podadas”, …etc. A propósito de podas em árvores ornamentais (plátanos, tílias, choupos,…) permanecem as práticas radicais, eliminando-se totalmente a copa (“a poda dos cornitos”) sem o necessário profissionalismo. A rua da Liberdade, o Largo da Feira em Maiorca, são exemplos disso, tal como a Escola do Paião (EB 2.3) que resolveu este ano transformar as árvores do recreio em autênticos postes de madeira. Mesmo a Escola perpetua o mito: “as árvores precisam de ser podadas para se desenvolverem bem”, apesar de existirem há mais de 200 milhões de anos e de não precisarem de nós para nada. Nós é que precisamos das árvores, e de que maneira.

Texto publicado no jornal "as Beiras", 23.03.2013

Sem comentários:

Enviar um comentário