Avançar para o conteúdo principal

Areal da Praia da Figueira da Foz - sem rapadura mecânica

Câmara Municipal decide-se pela não intervenção mecânica na «antepraia» para promover a regeneração natural do ecossistema

A Câmara Municipal da Figueira da Foz, "com o intuito de promover a consolidação das areias, não realizará a habitual intervenção mecânica da zona da antepraia, promovendo assim a fixação natural da vegetação. Esta opção visa a regeneração natural do ecossistema". A informação consta de uma nota de imprensa enviada pelo vereador António Tavares, que acrescenta que "na verdade, os estudos indicam que o revolver das areias, e a consequente destruição da vegetação autóctone, não só interrompem a estabilização natural do solo arenoso e das dunas, como afectam também a preservação de um espaço natural e de biodiversidade. Da mesma forma, a intervenção mecânica provoca o aparecimento de áreas de terra, seguido pelo afloramento de pedras e rochas".
 

Torna-se, assim, esclarece a mesma nota, "necessário parar a intervenção mecânica, a fim de impedir o processo de acreção de materiais indesejáveis, sabendo-se que as areias promovem a infiltração de águas com alguma carga orgânica que, de outra forma, se mantinham à superfície com efeitos prejudiciais, quer estéticos, quer de salubridade".
 

"Desta forma, a paragem da “rapadura” mecânica das areias permitirá a restauração e estabilização das mesmas e da sua formação dunar, sobretudo em áreas mais frágeis e críticas, bem como facilitará aos estudiosos um amplo laboratório de desenvolvimento de espécies da flora própria do espaço em questão e consequente aproveitamento pedagógico na área ambiental e dos ecossistemas", pode ainda ler-se.

«Não faz sentido manter à força todo o areal como um “areal de praia”», defende o executivo.

"É sabido que a zona do areal em apreço contempla, hoje, espécies da flora que já não são próprias dos areais de praia e das dunas, pelo que o seu enriquecimento e manutenção é demonstrativo de que não faz sentido manter à força todo o areal como um “areal de praia”", defende António Tavares.

"Aliás, a esmagadora maioria dos projectos que concorreram ao concurso de ideias para o areal da praia sugerem a manutenção de espaços e interstícios de desenvolvimento natural da vegetação, a par de outras ocupações que a Câmara quer e deseja promover, aliadas a uma rede de passadiços que permita aproximar pólos ou núcleos de agregação no espaço da antepraia. Esta solução permitirá uma ocupação do areal sem grandes custos, amiga do ambiente e capaz de humanizar o espaço tornando-o mais próximo da praia", conclui.

O autarca informa ainda que a Câmara colocou, na entrada das passadeiras que conduzem à praia, painéis explicativos da sua tomada de posição.


in Figueira na Hora
 http://www.facebook.com/FigueiraNaHora

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Alferes Robles, massacres de 1961 e a Guerra de Angola

Recentemente visionei novamente os primeiros episódios da série "A Guerra" de Joaquim Furtado. Para quem não viveu a guerra, o documentário é excelente, e segundo muitos que a viveram Joaquim Furtado fez um trabalho notável. Ouviu ambas as partes, procurou uma visão serena e equilibrada apresentando unicamente os factos comprovados.
(ver aqui o documentário "A GUERRA" de Joaquim Furtado, https://youtu.be/eytkjJXrmhA onde  várias testemunhas presenciais testemunham as atrocidades cometidas por ambas as partes)

Na sequência dos grotescos episódios que se seguiram aos massacres de 15 de Março de 1961, a UPA matou barbaramente quase um milhar de colonos (a maioria branco) e outros milhares de trabalhadores locais, os portugueses (brancos) desencadearam a retaliação. Matou-se por dá cá aquela palha, milhares de angolanos pretos foram chacinados sem qualquer razão. Há várias fotografias de valas comuns, iguais às nazis, e depoimentos que chegariam para levar alguns por…

Roxanne Bueso

Pintora Roxanne Bueso, residente na Figueira da Foz, proveniente de Porto Rico.

As obras em Buarcos e a destruição das árvores

Dificilmente se explica o pouco cuidado que houve com as árvores dos jardins de Buarcos, durante as atuais obras. Pelo contrário, o rolamento de árvores saudáveis parece indicar que os espaços verdes foram tratados por uma empresa de construção e ...não por quem sabe.
Lamenta-se a perda de árvores saudáveis.

Na Figueira da Foz continuamos a não ter uma política virada para o "ambiente"- isto é, sucedem-se as obras que pouco trazem em termos ambientais. O que temos é pouco mais do que "o mesmo" - muito estacionamento, muito espaço para o carro - e pouco espaço para "o verde", ou para o peão.