Avançar para o conteúdo principal

Buarcos - Destruição das árvores e arbustos (deixaram as canas)

(Carta aberta ao presidente da Junta de Freguesia de Buarcos)

Exmo. Sr. Presidente
José Esteves

c.c. Rui Duarte

1) Lamento a perda de mais uma parte do património natural de Buarcos.
Ontem (2812.2016) e hoje (tive conhecimento agora) os trabalhadores da Junta (?) arrasaram com o coberto vegetal junto aos Lavadouros de Buarcos.
Nem as árvores, as figueiras (há dezenas de anos que ali estão), escaparam ao corte pela raiz.

2) Enquanto isso, na mesma rua persiste a insalubridade - restos de comida são diariamente colocados por dois moradores (identificados) - à qual a Junta de Freguesia não presta atenção.

Sugestão: seria mais útil plantarem árvores e arbustos, em vez de os destruírem.

Solicito ao Exmo. Sr. Presidente da Junta de Freguesia uma justificação para a destruição das árvores e arbustos que preenchiam de forma elegante o topo da barreira, que divide a rua dos prédios.
Pede-se ainda que nos digam que medidas vão tomar para devolver salubridade à rua.

(fotos em anexo)

NOTA: os arbustos e árvores destruídos não retiravam luz e sol a ninguém, os prédios, sim, esses retiram sol às habitações sociais.

Obrigado pela atenção.
João Vaz



Arvores Buarcos



poda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Alferes Robles, massacres de 1961 e a Guerra de Angola

Recentemente visionei novamente os primeiros episódios da série "A Guerra" de Joaquim Furtado. Para quem não viveu a guerra, o documentário é excelente, e segundo muitos que a viveram Joaquim Furtado fez um trabalho notável. Ouviu ambas as partes, procurou uma visão serena e equilibrada apresentando unicamente os factos comprovados.
(ver aqui o documentário "A GUERRA" de Joaquim Furtado, https://youtu.be/eytkjJXrmhA onde  várias testemunhas presenciais testemunham as atrocidades cometidas por ambas as partes)

Na sequência dos grotescos episódios que se seguiram aos massacres de 15 de Março de 1961, a UPA matou barbaramente quase um milhar de colonos (a maioria branco) e outros milhares de trabalhadores locais, os portugueses (brancos) desencadearam a retaliação. Matou-se por dá cá aquela palha, milhares de angolanos pretos foram chacinados sem qualquer razão. Há várias fotografias de valas comuns, iguais às nazis, e depoimentos que chegariam para levar alguns por…

Roxanne Bueso

Pintora Roxanne Bueso, residente na Figueira da Foz, proveniente de Porto Rico.

As obras em Buarcos e a destruição das árvores

Dificilmente se explica o pouco cuidado que houve com as árvores dos jardins de Buarcos, durante as atuais obras. Pelo contrário, o rolamento de árvores saudáveis parece indicar que os espaços verdes foram tratados por uma empresa de construção e ...não por quem sabe.
Lamenta-se a perda de árvores saudáveis.

Na Figueira da Foz continuamos a não ter uma política virada para o "ambiente"- isto é, sucedem-se as obras que pouco trazem em termos ambientais. O que temos é pouco mais do que "o mesmo" - muito estacionamento, muito espaço para o carro - e pouco espaço para "o verde", ou para o peão.