9.11.12

A propósito da visita de Angela Merkel

Não posso deixar de discordar da reação de certos setores da Esquerda portuguesa, e do seu repúdio à vista da chanceler alemã , Angela Merkel: por um lado queremos ser europeus e desfrutar dos ganhos (mercado aberto, moeda única, investimento estrangeiro,...etc.), por outro estamos com receio que quem dá dinheiro à Europa, e a Portugal, imponha regras. 
Ou seja , queremos tudo sem nos responsabilizarmos pelos nossos erros (quem decidiu sobre as PPPs, os submarinos, política educativa, ...etc, foram os alemães ? Claro que não.
E depois o BE e o PCP acham que a culpa da nossa situação de pre-bancarrota é da Merkel ! Este é um erro enorme de quem ainda não se viu ao espelho.
Portugal falhou na gestão dos Fundos Comunitários , como falhou no ordenamento do território e em tantas outras coisas,....mas agora que não há dinheiro a culpa é dos outros.

4 comentários:

  1. Caro João Vaz

    Um empréstimo tem sempre dois responsáveis : quem pediu emprestado e quem emprestou. A irresponsabilidade do uso incorrecto dos empréstimos faz-se na altura do empréstimo. não é à prosteriori que se vem exigir determinadas condições que nada tem a haver com o empréstimo. Não fui eu, não foi o João ou o Zé da esquina que gastou mal o dinheiro. Foi sobretudo uma classe politica e o séquito que a acompanha que tem desfrutado destes dinheiros. Existe um principio da lei internacional que refere que só é considerada divida publica aquela que foi gasta em prol do bem comum, pelo que se deduz que gtoda a divida utilizada para salvar os bancos não é divida publica. Não acha também estranho que o BCE empreste dinheiro aos bancos a 0,75 % e depois estes emprestem aos governos a 5,6 ,7 ou mais % tendo em conta que o dinheiro do BCE é dinheiro dos diferentes governos que mais não é dinheiro dos meus, seus impostos. É tudo demasiado estranho mas quem ganha são sempre os mesmos. Deixou de haver o subprime como fonte de alto rendimento dos mercados financeiros especulativos e passou a haver outro produto financeiro rentável. Qual? A divida publica. Porque não eterniza-la? A Merckel já fala em austeridade por mais 5 anos. São tão bons em finanças dentro de casa porque não exportar o saber para os paises em divida? Quando encontrares alguém com fome não lhe dês um peixe ensina-o a pescar - Provérbio chinês ( mais uma vez os chineses....

    ResponderEliminar
  2. Caro Anónimo,

    a classe política muitas vezes gastou o dinheiro, e foi eleita para o fazer, em coisas que "o povo" pedia: mais estradas, mais casas, mais muros (o nosso molhe norte custou 30 milhões de euros, o cruzamento do Galo de Ouro uns 8 milhões...etc), mais Escolas,...etc.
    Os Bancos só existem porque as pessoas e as empresas colocam lá o dinheiro. Quando se salvou o BPN garantiu-se o dinheiros de dezenas (centenas ?) de milhares de gente - parte do "o povo" - que lá tinha as suas poupanças. Se o BPN fosse ao fundo, essas pessoas também iam. O que falhou foi a regulação (Vitor Constâncio, Banco de Portugal) antes do colapso.
    Os alemães são a tia rica a quem os portugueses querem pedir novamente dinheiro emprestado, e se possível que nos perdoem a dívida. Será legítimo que a ALemanha empreste novamente (a taxas de juro zero) dinheiro a um "viciado" em subsídios e ajudas ? Para quê ? Para continuarmos a gastar o que não temos nem produzimos ?
    Na verdade o Estado Português financia-se a 3%, ao contrário do se afirma, abaixo do que acontece com a Espanha ou a Itália. E também ao contrário do que se afirma por aí a Alemanha perde mais do que ganha com o euro - ver aqui http://www.nytimes.com/2012/06/27/opinion/germany-the-euro-winner-hardly.html

    ResponderEliminar
  3. http://www.nytimes.com/2012/06/27/opinion/germany-the-euro-winner-hardly.html

    ResponderEliminar
  4. Finally, German wages and living standards did not rise for a decade and a half from the mid-1990s, in sharp contrast with Southern Europe, Britain, and indeed most of the world except Japan.

    Perhaps most importantly of all, at 82 percent of G.D.P., Germany’s public debt is higher than that of most euro zone countries, although it is slightly lower than France’s debt and significantly lower than Portugal, Italy, Ireland and Greece.

    However, except for small adjustments, Germany’s guarantees and loans to governments and banks in the euro zone have not been accounted for as losses. Similarly, no account has been taken of Germany’s potential losses and liabilities. According to Sinn, Germany’s total exposure currently amounts to over €700 billion, or about one third of Germany total public debt of around €2.09 trillion. If and when Germany’s losses have to be realized, Germany’s aggregate public debt could quickly approach Portuguese or Italian levels and, in a worse-case scenario, rise well in excess of 110 percent of G.D.P.

    The euro, it seems, bled Germany of capital which then fueled growth in southern Europe until 2008. Until then Germany performed worse than any other country in the euro zone and the E.U. From 2008, it began to perform better, but for the last 15 years Germany has been one of the worst performing economies in northern and central Europe. Germany was the loser, not the winner of the euro.

    ResponderEliminar