Avançar para o conteúdo principal

Proposta de Exposição - Coastwatch 2009 - Vigilância da Costa

VEREADORES DO PARTIDO SOCIALISTA
CÂMARA MUNICIPAL DA FIGUEIRA DA FOZ MANDATO 2005-2009
DATA: 17-07-2008
Proposta a votação
Exposição em Espaço Municipal dedicada ao tema
“BIODIVERSIDADE: CAMPANHA COASTWATCH2009”

ASSUNTO: EXPOSIÇÃO BIODIVERSIDADE: CAMPANHA COASTWATCH2009

Fundamentação Conceptual

O litoral está actualmente sujeito a fortes pressões antrópicas, quer directas, quer indirectas. No caso específico do litoral português, essas pressões são maiores e mais relevantes do que na generalidade das zonas costeiras mundiais. Esta situação exige uma reflexão profunda e generalizada da sociedade civil, em que cada pessoa deve equacionar o que pode fazer para garantir a continuidade e qualidade de um património que é de todos nós. Aproxima-se mais uma Campanha Coastwatch, a 19ª que será dedicada à Biodiversidade “Coastwatch: Um olhar sobre a Biodiversidade”.
Aproveitando esse facto e a participação activa que a Câmara Municipal da Figueira da Foz (CMFF) tem tido na dinamização local da iniciativa, os Vereadores Não executivos do Partido Socialista propõem uma exposição temática sobre o assunto num Espaço Municipal (MUSEU, CAE…) nos primeiros meses do ano de 2009.

A importância de um projecto desta natureza
Em Portugal o litoral surge, por oposição ao interior, densamente povoado, numa linha contínua, desde a fronteira norte de Portugal até à região algarvia.
É evidente que esta constatação não é recente, e muito menos original, mas, não a podemos deixar de referir quando as expressões de "desenvolvimento" de uma parte do território português, se espacializaram anarquicamente num total desrespeito pela gestão ordenada do território e pelo património natural, de extrema importância e beleza, nomeadamente aquele que se localiza sobranceiro ao mar.
As áreas costeiras são palco de situações degradantes do ponto de vista ambiental. De facto, assistimos à destruição progressiva dos ecossistemas costeiros com o crescente aumento de lixo acumulado, poluição das águas e ameaças várias à Biodiversidade. Uma exposição sobre os resultados alcançados com o projecto Coastwatch devem ir além da educação ambiental feita pelas escolas. Deverá ser um excelente auxiliar para a resolução de problemas relacionados com o litoral, em três linhas de acção:
Prevenir a degradação das zonas costeiras
Impedir o prosseguimento dos factores que levam à degradação
Assegurar que serão tomadas as medidas necessárias para a recuperação de
zonas alteradas.

O Coastwatch é também um óptimo instrumento de informação do público, tornando-o mais atento às questões que dizem respeito à sua área, nomeadamente aos atentados que o litoral possa estar a sofrer, permitindo uma consciencialização dos problemas consequentemente a adopção de comportamentos e estratégias mais "amigos do ambiente". Por outro lado, ao estar informado, o cidadão terá maior capacidade de intervir, passando a ter um papel activo não só nas tomadas de decisão, como nas denúncias de situações irregulares.
As Campanhas Coastwatch são úteis também às autoridades com competências sobre o litoral, principalmente ao nível local, visto que os resultados obtidos fornecem um bom panorama sobre o estado da nossa costa. Ao analisar os resultados Coastwatch, é possível definir, com alguma segurança, às áreas mais vulneráveis e que necessitam de uma maior atenção.

Objectivos

Melhorar o conhecimento da situação ambiental do litoral português, sensibilizar as escolas, instituições e população em geral para os problemas resultantes dos impactos da actividade humana na faixa litoral correspondem às valências mais importantes a adquirir num projecto desta natureza.

São objectivos gerais da mostra dedicada à Biodiversidade: Campanha Coastwatch2009
Caracterizar anualmente a situação ambiental da faixa litoral
Sensibilizar as populações para a importância do litoral expondo-a aos materiais (lixo, restos de animais) encontrados durante a campanha do Coastwatch; e mostra de fotografias versando a Biodiversidade existente na costa do concelho da Figueira da Foz
Contribuir para a preservação dos sistemas litorais
Incentivar a participação activa dos cidadãos na defesa da qualidade ambiental do litoral
Possibilitar o desenvolvimento do espírito crítico / espírito científico
Explorar conceitos ambientais, nomeadamente relacionados com os ecossistemas litorais
Recompensar os esforços dos jovens e adultos que participam voluntariamente, ano após ano, nas campanhas dos Coastwatch.
“..”
Investimento logístico
Cedência e preparação de um espaço Municipal para a realização da exposição.
Duração: 2 meses (Fev-Mar 2009)

Custos
Somente os custos associados ao trabalho de cedência do espaço i.e. recursos internos da CMFF; apoio logístico no transporte dos materiais e expor e respectiva instalação.
Estimativa: 2.025 euros

Prazos
Preparação da Exposição: 15 de Outubro a 15 Janeiro de 2008
Exposição: Fevereiro – Março de 2009

Contactos
Coordenação Coastwatch Portugal Coordination
Blog: http://www.coastwatch-coastwatch.blogspot.com/
Telm: 969860659 | Telefone: 210117598
GEOTA - Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente
National-wide environmental NGO specialized in environmental
policy and environment and development issues
e-mail: coastwatch@netcabo.pt or geota.sec@netcabo.pt
homepage: http://www.geota.pt

Esta proposta foi indeferida com os votos contra do Sr. Presidente da Câmara Duarte Silva e os Srs. Vereadores José Elísio, Lídio Lopes e Teresa Machado. Recebeu os votos a favor dos Vereadores do PS.

Comentários

  1. Olá
    Espero que tenham sucesso na vossa actividade.
    Assim se faz a educação ambiental e se cuida do que é nosso. Parabéns!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Alferes Robles, massacres de 1961 e a Guerra de Angola

Recentemente visionei novamente os primeiros episódios da série "A Guerra" de Joaquim Furtado. Para quem não viveu a guerra, o documentário é excelente, e segundo muitos que a viveram Joaquim Furtado fez um trabalho notável. Ouviu ambas as partes, procurou uma visão serena e equilibrada apresentando unicamente os factos comprovados.
(ver aqui o documentário "A GUERRA" de Joaquim Furtado, https://youtu.be/eytkjJXrmhA onde  várias testemunhas presenciais testemunham as atrocidades cometidas por ambas as partes)

Na sequência dos grotescos episódios que se seguiram aos massacres de 15 de Março de 1961, a UPA matou barbaramente quase um milhar de colonos (a maioria branco) e outros milhares de trabalhadores locais, os portugueses (brancos) desencadearam a retaliação. Matou-se por dá cá aquela palha, milhares de angolanos pretos foram chacinados sem qualquer razão. Há várias fotografias de valas comuns, iguais às nazis, e depoimentos que chegariam para levar alguns por…

Supermercados a mais e em zona sensível

https://outramargem-visor.blogspot.pt/2017/12/a-proposito-da-mercearia.html

Tal como António Agostinho descreve no seu blog, a CMFF esteve mal na avaliação das licenças dos supermercados.

Contrariamente ao que acontece em outros países (Itália, perguntem à SONAE quanto paga ao Município pelo seu estacionamento "privado") os contratos com grandes superfícies deveriam obrigar a que cada lugar de estacionamento pagasse uma tarifa.
Isto em prol da "igualdade" perante o comércio local, cujos clientes têm que pagar estacionamento.

Artigo sobre o PDM - 1

O PDM sou eu e…os meus filhos
O PDM é um instrumento demasiado importante para ficar só nas mãos dos técnicos e políticos. Uns e outros tendem a pensar que o “PDM sou eu”, e querem zonas de expansão urbana (“para os filhos”) onde há espaços agrícolas. O PDM merece um amplo debate público mesmo que seja contaminado pelas pretensões individuais de valorização fundiária.
O debate começa mal, dado que é difícil a leitura do relatório e do regulamento do PDM. Os objetivos concretos da revisão do PDM são pouco evidentes. Falta um “resumo executivo”. O relatório perde-se em muitas estatísticas, quadros e tabelas. São 17 maçadoras páginas de “indicadores demográficos” . Faltam conclusões: “a população estagnou, o número de casas aumentou exponencialmente, há milhares de edifícios em ruína num país endividado e sem capital próprio”.
A Câmara tem razão, na teoria: “redefinem-se os aglomerados tendo em conta o que existe já construído no território, evitando a continuação da dispersão do edificado”…